Wednesday, March 29, 2006

Ave Sangria - Ave Sangria (1974)




DOWNLOAD!


Faixas:
01. Dois Navegantes
02. Lá Fora
03. Três Margaridas
04. O Pirata
05. Momento na Praça
06. Cidade Grande
07. Seu Waldir
08. Hei! Man
09. Por Que?
10. Corpo em Chamas
11. Geórgia, a Carniceira
12. Sob o Sol de Satã



Eles usavam batom, beijavam-se na boca em pleno palco, faziam uma música suja, com letras falando de piratas, moças mortas no cio. E eram muito esquisitos; "frangos", segundo uns, e uma ameaça às moças donzelas da cidade, conforme outros. Estes "maus elementos" faziam parte do Ave Sangria, ex-Tamarineira Village, banda que escandalizou a Recife de 1974, da mesma forma que os Rolling Stones a Londres de dez anos antes. Com efeito, ela era conhecida como os Stones do Nordeste.

"Isto era tudo parte da lenda em torno do Ave Sangria" - explica, 25 anos depois, Rafles, o ministro da informação do grupo. "O baton era mertiolate, que a gente usava para chocar. Não sei de onde surgiu esta história de beijo na boca, a única coisa diferente na turma eram os cabelos e as roupas." Rafles por volta de 68, era o "pirado" de plantão do Recife. Entre suas maluquices está a de enviar, pelo correio, um reforçado baseado, em legítimo papel Colomy, para Paul McCartney. Meses depois, ele recebeu a resposta do Beatle: uma foto autografada como agradecimento.

Foi Rafles quem propôs o nome Tamarineira Village, quando o grupo tomou uma forma definitiva, com a entrada do cantor e letrista Marco Polo. Isto aconteceu depois da I Feira Experimental de Música de Fazenda Nova. Até então, sem nome definido, Almir Oliveira, Lula Martins, Disraeli, Bira, Aparício Meu Amor (sic), Rafles, Tadeu, e Ivson Wanderley eram apenas a banda de apoio de Laílson, hoje cartunista do DP.

Marco Polo, um ex-acadêmico de Direito, foi precoce integrante da geração 45 de poetas recifenses. Com 16 anos, atreveu-se a mostrar seus poemas a Ariano Suassuna e a Cesar Leal. Foi aprovado pelos dois e lançou seu primeiro livro em 66. Em 69, iniciou-se no jornalismo, como repórter do Diário da Noite. Logo ganhou mundo. Em 70, trabalhou por algum tempo no Jornal da Tarde, em São Paulo, mas logo virou hippie, trabalhando como artesão na desbundada praça General Osório, em Ipanema. O primeiro show como Tamarineira Village foi o Fora da Paisagem, depois do festival de Fazenda Nova. Vieram mais dois outros shows, Corpo em Chamas e Concerto Marginal. A partir daí a banda amealhou um público fiel.

Ciganos

A mudança do nome aconteceu quando o grupo passou a ser convidado para apresentações em outros Estados. Os músicos cansaram-se de explicar o significado de Tamarineira Village. O Ave Angria, segundo Marco Polo, foi sugestão de uma cigana amalucada, que encontraram no interior da Paraíba: "Ela gostou de nossa música e fez um poema improvisado, referindo-se a nós como aves sangrias. Achamos legal. O sangria, pelo lado forte, sangüíneo, violento do Nordeste. O ave, pelo lado poético, símbolo da liberdade do nosso trabalho.

Na época, o som do Quinteto Violado era uma das sensações da MPB. Não tardou para as gravadoras mandarem olheiros ao Recife em busca de um novo quinteto. A RCA foi uma delas. O Ave Sangria foi sondado e recusou a proposta (a RCA contratou a Banda de Pau e Corda).

O disco viria com a indicação da banda, pelo empresário dos Novos Baianos, à Continental, a primeira gravadora a apostar no futuro do rock nacional. Antecipando a gozação por serem nordestinos, os integrantes da banda chegaram no estúdio Hawai, na Avenida Brasil, Rio, todos de peixeira na mão: "Falamos para o pessoal ter cuidado, porque a gente vinha da terra de Lampeão", relembra Almir Oliveira. Foi um dos poucos momentos de descontração da banda. Com exceção de Marco Polo, nenhum dos integrantes conhecia o Rio e jamais haviam entrado num estúdio de gravação.

De peixeira na mão

Como agravante, quem produziu o disco foi o pouco experiente Marcio Antonucci. Ex-ídolo da Jovem Guarda (formou a dupla Os Vips, com o irmão Ronaldo), Antonucci ficou perdido com o som que tinha em mãos, e o pôs a perder: "Ele não entendeu nada daquela mistura de rock e música nordestina que a gente fazia, e deixou as sessões rolarem. O diabo é que a gente também não tinha a menor experiência de estúdio", conta o guitarrista Paulo Rafael. Resultado: o disco acabou cheio de timbres acústicos. O Ave Sangria, involuntariamente, virou uma espécie de Quinteto Violado udigrudi. E adulterado não foi apenas o som. A gravadora não topou pagar pela arte da capa e colocou em seu lugar um arremedo do desenho original, assinado por Laílson.

O disco, mesmo pouco divulgado, conseguiu relativo sucesso no Sudeste, e vendeu bastante em alguns Estados do Nordeste. Uma das músicas que fizeram mais sucesso, e polêmica, foi o samba-choro Seu Waldir. "Seu Waldir o senhor/ Machucou meu coração/ Fazer isto comigo, seu Waldir/ Isto não se faz não... Eu quero ser o seu brinquedo favorito/ Seu apito/ Sua camisa de cetim..." Numa época em que a androginia tornava-se uma vertente da música pop. Lá fora com o gliter rock de David Bowie, Gary Glitter e Roxy Music com Alice Cooper, a aqui com o rebolado dos Secos & Molhados, Seu Waldir foi considerado pelos moralistas pernambucanos como uma apologia ao homossexualismo, quando não passava de uma brincadeira do irreverente do Ave Sangria.

Seu Waldir por pouco não vira mito. Uns diziam que era um senhor que morava em Olinda, pelo qual o vocalista do Ave Sangria apaixonara-se. Outros, que se tratava de um jornalista homônimo. Enfim, acreditava-se que o tal Waldir era um personagem de carne e osso. Marco Polo esclarece a história do personagem "Eu fiz Seu Waldir, no Rio, antes de entrar na banda. Ela foi encomendada por Marília Pera para a trilha da peça A Vida Escrachada de Baby Stomponato, de Bráulio Pedroso, que acabou não aproveitando a música".

O Departamento de Censura da Polícia Federal não levou fé nesta versão. Proibiu o LP e determinou seu recolhimento em todo território nacional. A proibição incitada, segundo os integrantes do Ave Sangria, pelo hoje colunista social do Diário de Pernambuco, João Alberto: "Ele tocava a música no programa de TV que ele apresentava e comentava que achava um absurdo, que uma música com uma letra daquelas não poderia tocar livremente nas rádios", denuncia Rafles. Almir Oliveira diz que lembra dos comentários do jornalista na televisão: "Mas não atribuo diretamente a ele. Se não fosse ele, teria sido outra pessoa, a música era mesmo forte para a época", ameniza. A proibição, segundo comentários da época, deveu-se a um general, incentivado pela indignação da esposa, que não simpatizou com a declaração de amor a seu Waldir.

O disco foi relançado sem a faixa maldita, mas aí o interesse da mídia pelo grupo já havia passado. A Globo, por exemplo, desistiu de veicular o clipe feito para o Fantástico, com a música Geórgia A Carniceira. O grupo perdeu o pique: "A gente era um bando de caras pobres, alguns já com filhos, a grana sempre curta. No aperto, chegamos até a gravar vinhetas para a TV Jornal (uma delas para o programa Jorge Chau)", relembra Marco Polo.

Em dezembro de 1974, o Ave Sangria parecia querer alçar vôo novamente. O grupo fez uma das suas melhores apresentações, com o show Perfumes & Baratchos. O público que foi ao Santa Isabel não sabia, mas teve o privilégio de assistir ao canto de cisne da Ave Sangria. Foi o último show e o fim da banda.
Texto de José Teles, publicado no site Senhor F.

Fazer o download de Ave Sangria - Ave Sangria (1974).

32 comments:

Lisa Sinder said...

Thank you, Sir!

Moyses said...

Obrigado pela postagem do Ave Sangria, a banda era maravilhosa e gravou esse clássico do rock nacional. Não sei porque nenhuma gravadora se interessou em lançá-lo em formato digital, é muito bom mesmo! Parabéns novamente pelo blog!

acesso-raro said...

Faço dos cometários do Moyses os meus e acrescento: seu blog está muito legal. Quando tiver oportunidade, visite os meus - acesso-raro e acesso-raro-internacional. Lá também você irá encontrar coisas interessantes, inclusive uma postagem indicando o seu blog. Você verá que temos muito em comum. Valeu!

Anonymous said...

cara, faz uma semana que tô viajando nas letras!!!
Valeu!

Anonymous said...

Fazia décadas que procurava re-escutar essa gravação. Foi genial ter encontrado o album todo aqui.
Valeu mesmo. Obrigadão!!

julia said...

Descobri o Ave Sangria a cerca de dois ou três anos e fiquei maravilhada, e a música que mais me chamou atenção foi justamente Seu Waldir. Fiquei pensando como os caras tiveram coragem de ousar tanto naquela época. Desde então tentei saber mais sobre a banda, e vc me ofereceu essa oportunidade com o seu blog.

Anonymous said...

pois tenho um disco que foi de minha mãe ,mais saber que dtem uma turma grande que curte na net é otimo.pahuti

Menino said...

Porra cara.. vc FEz Meu Pai muito Feliz.. ele Relembrou os tempos que o irmao dele mostrava os sons pra ele, e ele viajava nas letras... e agora ele me mostrando o som.. puta merda.. muito bom ...

Obrigado..

Entre isso outros sons do Blog tbm devo dizer... como Water Franco e elçe procura a tempos..

Menino said...

Muito Obrigado POr Essa POstagem, Meu Pai Ficou muito Feliz e Relembrou a Epoca Que o Irmao dele mostrava os sons pra ele...E agora ele mostrando para mim...

Nao so Ave sangria que ele gostou mas tbm outros sons entre eles o do water franco que ele procura a muito tempo...

floripax said...

conheci o som desses caras há uns 8 anos atrás em Recife quando a raça fuçava os vinis dos pais para as festinhas da facul, sabiamos muito pouco da história deles, só que eram de Recife e que tinham gravado um único álbum... bom paguei então pra um maluco gravar uma cópia pra mim,... a cópia acabou indo parar em Sacramento (Califórnia) logo depois quando um amigo resolveu ir com a mulher e o filho pra lá, e levou o meu cd emprestado junto com ele. bacana ouvir novamente o som desses caras e de recordar o ínicio da década em que estava em Recife. o problema é que o som do vinil gravado pra cd não fica dos melhores..., bem q algum selo desses independentes podiam relançar esse álbum restaurado. era freguesia garantida, pra os velhos e os novos admiradores da lendária banda. salve salve...desde o sul do Brasil (florianópolis -sc)

Anonymous said...

A alguns dias estive na casa de um colega quando ele me apresentou o som magnífico da banda, e logo fui em busca de material na net.
A trajetória da banda é realmente de dar gosto. a pesar da época os caras já tocavam rock "top de linha". fico indignado por saber que atualmente nenhuma gravadora dissemina esse trabalho.
O blog ta super bacana, parabéns.

orkut>>>claudinho eric. 08/12/08

claaudinho eric said...

A alguns dias estive na casa de um colega quando ele me apresentou o som magnífico da banda, e logo fui em busca de material na net.
A trajetória da banda é realmente de dar gosto. a pesar da época os caras já tocavam rock "top de linha". fico indignado por saber que atualmente nenhuma gravadora dissemina esse trabalho.
O blog ta super bacana, parabéns.

orkut>>>claudinho eric. 08/12/08

ericats said...

Parabéns pelo blog fperacoli!
É sempre muito bom encontrar um gueto de resistencia ao descaso da industria fonografica com o rock classico brazuca!
Tentei baixar o "Ave Sangria" durante a semana toda e recebo a mesma mensagem... "Invalid File. This error has been forwarded to MediaFire's development team."
Você pode carregar o album de novo, por favor?
Gracias

Araguaiano said...

OLÁ! POR FAVOOOOOOOOOOOOOR REPOSTE ESSE ÁLBUM!!!!! NÃO SEI MAIS O QUE FAZER! PRECISO CONHECER ESSE GRUPO!!!!

Anonymous said...

O Link tah corrompido...
Não dah pra baixar...
:(

fperacoli said...

Link finalmente republicado. Continuem reportando links vencidos.
Abcs.

josenildo said...

morei em Caruaru Pe no início dos anos 90, e como curtíamos o som do Ave Sangria, em um disputadissímo vinil que eu possuia !!! maravilhoso, avis rara!!!

Ângelo Gutemberg said...

poxa que legal encontrar este site.
faz muito tempo a ultima vez que havia escutado o ave sangria...
tinha um vizinho que tinha o disco e escutava sempre.
eles me influenciaram muito musicalmente

Camila said...

poxa, que bacana encontrar essas raridades sempre boas de ouvir por aqui. parabéns pelo blogue :)

The Bluz said...

Josenildo, e por falar em Caruaru assim como nós da The Bluz, Paulo Rafael guitarrista da Ave Sangria na época (guitarrista e produtor de Alceu Valença há decadas), é também de Caruaru.
Esse disco marcou pela qualidade... e enriquece nosso orgulho das coisas da nossa terra!
O blog dispensa comentários, sempre bom!
(Jonathan Richard)

Rodrigo Mello Campos said...

Tive a oportunidade de assistir eles no festival Psicodália, em Rio Negrinho - SC. Brotha, que viagem, melhor banda do evento.

Mas teve uma parte triste. No final do show, os caras falaram que p/ ouvir suas músicas só comprando o LP em sebo ou baixando da internet pq a WARNER não libera...

Rodrigo Mello Campos said...

Tive a oporunidade de assistir ao vivo eles nesse Carnaval, era o Festival Psicodália em Rio Negrinho - SC. Na minha opinião, melhor banda do evento - o concerto do Tom Zé também foi forte.

Mas nem tudo são rosas. no final do show, os caras falaram que as músicas só estão disponíveis no antigo LP e na internet, pq a WARNER não libera elas... sacanagem da gravadora.

Bruno said...

Ave Sangria tocou no "Festival Psicodália", no dia 8 de março deste ano.

"Pobre de quem não se perdeu!" Não são as palavras certas, pois. As corretas são: "Pobre de vocês que perderam!"

Angellina said...

Tive a oportunidade de ver eles ao vivo no psicodália deste ano. Imbátivel!
30 anos depois os caras ainda mandam muito bem!

henrique said...

Sou recifense e conheci essa banda a pouco tempo. Um absurdo!!...uma banda genial e as músicas me identificam bem mais que Rolling Stones, claro!

Ave! Sangriaaaaaaaaa...

ŔФПY said...

esse blog simplismente é FOOOODAAA, cara não para de postar coisas, vc só tem raridades ai, belo trabalho o seu, sempre curti rock psicodélico,
The Doors, Pink Floyd, Hendrix e tal, e nunca achei que iria encontrar bandas boas de rock psicodélico aqui do Brasil, curti muito Ave Sangria, Walter Franco nunca tinha ouvido, começei a ouvir tudo aqui do teu blog, muito obrigado pela aula de música brasileira.

grande abraço

. : h e l ô : . said...

Galera de São Paulo, domingo 15/5/12 às 18h show da grande Ave Sangria no SESC Belenzinho:

http://www.sescsp.org.br/sesc/programa_new/mostra_detalhe.cfm?programacao_id=219201

Bóra curtir esse classico brasileiro??

fperacoli said...

Beleza, Helô. aqui a pouco faço um post prá divulgar o show...

Continue acessando, comentando, divulgando....

Anonymous said...

Parabéns pelo blog!!!
Conheci o som destes caras quando eu era criança em 86/87 uma visinha ouvia este LP todos os dias e fui descobrir que era AVE SANGRIA à poucos anos...um pouco mais de uma semana eles tocaram aqui em Sampa no Sesc Belémzinho!

Abraço

Anonymous said...

conheci ave sangria numa roda de amigos em 2008, prestes a começar um luau, viajamos muito a som da banda Ave Sangria. De lá pra cá procurei espalhar essa dinvindade q é a banda. Hoje em dia é hit entre meus amigos inclusive toque do meu celular "o Pirata".

Emilio Urbano said...

Muito bom o texto!
Virei fã do som da banda em 2012 e estava a procura de informações sobre a história da Ave Sangria.
Muito obrigado!!!

Laís Escher said...

Perfeita essa postagem!
O Ave Sangria é pouco conhecido e as fontes de consulta também não são muitas.
Muito obrigada :D