Monday, October 02, 2006

Jards Macalé - Jards Macalé (1972)




DOWNLOAD!


Faixas:
01. Farinha do Desprezo
02. Revendo Amigos
03. Mal Secreto
04. 78 Rotações
05. Movimento dos Barcos
06. Meu Amor me Agarra & Geme & Treme & Chora & Mata
07. Let's Play That
08. Farrapo Humano - A Morte
09. Hotel das Estrelas



Jards Macalé, primeiro disco do cantor carioca, é um dos trabalhos mais inusitados da música brasileira. Um disco até hoje duro de ser conceituado - e por isso mesmo genial, e tantas vezes esquecido. Feito após Jards ter passado por experiências diversas como músico, o álbum marcava sua transição para a via pop, revolucionando a música brasileira ao mesclar rock, samba, eruditismo, jazz, bossa-nova, tropicalismo, melancolia e sofrimento em doses cavalares. Gravado às pressas, da forma mais minimalista possível (com Jards no violão, Lanny no violão solo e no baixo e Tutty na bateria), o disco traz uma sonoridade crua, anti-comercial, com letras que chegam a soar punks. O LP abria com "Farinha do desprezo", quase um anti-rock, desconstruído, misturado com samba e jazz (a letra: "só vou comer agora da farinha do desejo/alimentar minha fome para que nunca mais me esqueça/como é forte o gosto da farinha do desprezo").

Uma vinheta com "Vapor barato" a capella - cantada de forma quase fúnebre, fantasmagórica mesmo - antecede o forrock "Revendo amigos", que chegou a ir 12 vezes para a censura, encucada com versos como "se me der na veneta eu morro/se me der na veneta eu mato". Numa época em que Roberto Carlos era rei, Jards só oferecia romantismo em faixas originais como o quase-samba "78 rotações", na voraz "Meu amor me agarra & geme & treme & chora & mata" e na desolação de "Movimento dos barcos". O lado mais característico de Macalé, no entanto, era a faceta melancólica e existencial de faixas como o rock "Mal secreto" ("massacro meu medo, mascaro minha dor, já sei sofrer") e o hino "Let's play that" ("vai, bicho/desafiar o coro dos contentes", dizia a letra de Torquato Neto). Num viés tenso, repleto de improvisos roqueiros ao violão, em que não havia oposição entre tristeza e felicidade, alegria e melancolia ("dessa janela sozinha/olhar a cidade me acalma/estrela vulgar a vagar/rio e também posso chorar", diz a letra de "Hotel das estrelas", que fechava o disco), Jards Macalé também trazia o rock´n roll suicida e ágil de "Farrapo humano" (de Luiz Melodia) - sintomaticamente seguido pelo samba "A morte", de Gilberto Gil.

A ousadia custou caro: Jards Macalé acabou tendo pouca tiragem e logo foi tirado de catálogo. O cantor iniciou uma série de shows, mas continuava com problemas de colocação no mercado. Em 1973, liderou na Philips um misto de show-disco coletivo, O banquete dos mendigos, feito por ele e por vários amigos para comemorar o aniversário de 25 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem e, de quebra, ajudar a tirar a conta de Macalé do vermelho: o show foi feito, mas o disco ao vivo acabou sendo completamente censurado e só liberado em 1979 (e já pela RCA).
Texto de Ricardo Schott, publicado no site The Freakium!.

Fazer o download de Jards Macalé - Jards Macalé (1972).

29 comments:

andré said...

Esse disco é muito bom, tava procurando fazia tempo!

Agora só falta você aparecer com um do mautner que aí viro seu fã de carteirinha!

Valeu!

Rafa said...

Gostei do disco, um acabamento bem simples das músicas, mas muito bom.

Jorge Malcher said...

Amigo, eu sei que você usa o Turboupload por uma questãode praticidade, mas...
Quem não tem um anti-pop-up decente (o que é perfeitamente compreensível, pois há muitos desavisados por aí) acaba correndo o risco de levar um GenericDownloader por causa de uma janelinha escrota que abre sozinha no Turboupload, que instala uma cacetada de Trojan, inclusive um que faz alguns anti-vírus pararem de funcionar... A conseqüência final disso é a necessidade de reinstalação de sistema ou formatação de HD.
Quer uma dica?
Veja este:
http://www.sendspace.com/

Vitor Batista said...

ja tenho esse disco! é sensacional a voz desse homem!

qinhO said...

bicho, a taxa de bitrate dos discos está baixa. variando entre 160 e 128, o que faz com q o arquivo de musica tenha má qualidade. a boa é conseguir o birate de pelo menos 192. o arquivo fica um pouqinho maior, mas já tem uma qualidade bacana.

abraaaaa
q ótimo trabalho vc tem feito!

Anonymous said...

Melhor álbum que já baixei aqui, mto bom.
O link pro do Marcos Valle está com problema, queria baixar ele tbm.

Lucas said...

128 kbps está até razoável. Não faz tanta diferença assim, a não ser que você goste de ativar a opção "som 3d" da sua caixa de som. Mas se o Fperacoli conseguir os arquivos com 192, seria legal.

cordeiro said...

legal esse seu blog. o meu inclusive lembra esse mesmo formato seu, só que eu tô escrevendo resenhas sobre rock, indie e afins. esse negócio de disponibilizar o download é tranquilo?
abs

fperacoli said...

Qinho e Lucas,

nem sempre consigo os arquivos em 192k. Tem alguns discos que eu dou graças a deus simplesmente por consegui-los. Todos os discos que ripei diretamente do original, o fiz em 192k. Concordo que a qualidade é bem melhor.

Abração,
Fábio

Anonymous said...

Disco maravilhoso! Obrigado pelo post. Agora só faltam os discos "Aprender A Nadar" e o 1º compacto dele para completar a fase que mais gosto do Jards Macalé. Caso tenha esse títulos, lhe agradeço desde já se os disponobilizar também.

Rogério Silvestroni said...

Discaço!! Tuty Moreno e Lanny Gordin são fantásticos, além do próprio Macalé, é claro.

Graziela said...

Eu já tenho esse disco, mas dá até vontade de baixar de novo.
Entre os meuz 10 melhores com certeza! Jards manda muito bem!

Manoel said...

Este blog é bom demais. O Marquinho, meu amigo meu me recomendou. 10 prele!!
Por favor, postem o Banquete dos Mendigos.

salo rawet said...

Nao pude fazer o download do Macale.
Diz que o "file" nao existe?

Anonymous said...

Please reload this album. It cannot de downloaded. Thanks for all the great music!

Anonymous said...

O blog está maravilhoso, muito grato! Tem jeito de upar esse disco de novo?

Anonymous said...

again please

fperacoli said...

O link está funcionando de novo.

The link is working again.

Anonymous said...

mas não acho nenhum disco da altura desse no site

Pérolas da Comunicação said...

Nunca um disco me emocionou tanto. Macalé canta com vivacidade, sentimento. Em Movimento dos Barcos, chorei tão desesperadamente...
Com sua interpretação única, Jards Macalé nos faz sentir todas as suas dores, angústias, tristezas, alegrias. Ele nos transporta pra um universo repleto de sensações sufocadas que encontram na música sua libertação.

Yorranna Oliveira

Anonymous said...

Acreditem se quiserem: acabei de comprar esse CD (uma fortuna...)!!! Estou tendo estertores de gozo e júbilo. Top 10 da MPB sem dúvida alguma, e um dos melhores discos da música moderna no mundo.

Luciano Menezes said...

Realmente esse disco eu acho o máximo. Tenho vinil e gravei no computador. Ouço sempre.

Luciano Menezes said...

Realmente esse disco eu acho o máximo. Tenho vinil e gravei no computador. Ouço sempre.

W4st3r Silveira said...

DISCOGRAFIA JARDS - 1 ARQUIVO

O link direto é: http://www.fileserve.com/file/xxfNkAn

Créditos para esse blog: http://downloadcult.blogspot.com/

joao said...

vale lembrar a participação do Lanny Gordin na guitarra!
Lanny era foda!
abraço!

fperacoli said...

Correção, caro João: Lanny é foda! Afinal, ele ainda está bem vivo.

Chico said...

Ouvi falar desse carinha
quando vi um programa sobre a nossa língua portuguesa.
Corri pra fazer o down.
Muito bom.
parabéns pelo blog e por disponibilizar um material dessa qualidade.
vlw.

Faustino Cabeção said...

Esse é um dos discos mais geniais da MPB. Em meu humilde ponto de vista, ouso colocar Macalé ao lado de grandes nomes de nossa música.

Obrigado pela oportunidade de compartilhar conosco um artista deste nível.

Carlos said...

Meu Deus, como é bom escutar o som de violões nas mãos de quem sabe, não aquelas batidas que nem de igreja de interior, mpb com conteudo com Macalé cantando com o coração na boca...
sou aficcionado na psicodelia dos anos 60 e 70 e Lanny é sinonimo dessa fase maravilhosa, porém, inexistente pra maioria dos brasileiros...
a música da década de 60 e 70 do Brasil é rica em diversidade e qualidade
Fodástico esse disco
parabéns pelo blog e pela resenha