Tuesday, July 04, 2006

Naná Vasconcelos - Africadeus (1973) + Naná Vasconcelos (1972)




DOWNLOAD!


Faixas:
From "Africadeus" (1973):
01. Africadeus
02. Aboios
03. Seleção de Folclore

From "Naná Vasconcelos" (1972):
04. No Sul do Polo Norte
05. No Norte do Polo Sul
06. Aranda
07. Toshiro
08. Baião do Acordar
09. Garimpo
10. Tiro Crusado
11. Pinote



Uma voz distinta na percussão brasileira e mundial

Quando se pensa em Naná Vasconcelos, vem som. Uma figura brasileira que passou uma boa parte desses últimos 30 anos em Nova York, mas que não mudou seu figurino para um Armani, para melhor representar a nata da música instrumental brasileira. Afinal, o percussionista pernambucano nascido em 1945 certamente ainda preserva a cor pastel de suas lembranças de infância, quando tocava com o pai em uma bandinha marcial em Recife.

Um salto nas décadas e vemos Naná uma figura mundial, que ultrapassou a mera barreira da percussão. É um criador que já foi eleito sete vezes Melhor Percussionista do Mundo pela revista americana Down Beat. E grande parte desse feito foi conseguido graças a sua projeção no exterior, que sempre soube reconhecer o talento acima das vertentes comerciais da música.

Curioso e lembrando uma figura mística - mas não se engane, é um perfeito administrador de sua carreira -, Naná não tem o pé na hermetismo do erudito, pois é possível ouvir em sua atitude Músical a rebeldia de um Jimi Hendrix. Essa rebeldia e perfeita sintonia com o som e silêncio se percebe no instrumento que mais o caracteriza, o berimbau. Sozinho - ou com todos que o ouvem -, consegue criar um ambiente sonoro único em que notas da corda esticada do instrumento se misturam com sua voz, também dotada de assinatura singular.

Vida no exterior

Mas Naná não resume-se ao instrumento longitudinal - toca praticamente todos os instrumentos percussivos que lhe chega às mãos, e de forma pessoal, o que é extremamente difícil no gênero. Naná não é o percussionista de estúdio que os estrangeiros esperam de um brasileiro, que coloca um pandeiro aqui, uma tumbadora alí. Mas a sonoridade de Naná não nasceu de uma jam para outra. O músico se mudou para o Rio de Janeiro no final da década de 60, para trabalhar com Milton Nascimento. Uma união em 1970 com o saxofonista Gato Barbieri o tirou de nossas fronteiras pela primeira vez - o que se tornaria uma constante anos depois. Bom, Naná foi para o mundo.

Fixou residência em Paris, por cinco anos. O primeiro disco saiu dessa fase com o nome Africadeus. Amazonas saiu quando retornou ao Brasil, em 1972. Daí em diante, ligou-se a outra figura única na música brasileira, para uma parceria de oito anos e três discos: Egberto Gismonti. São eles: Dança das Cabeças (1976), Sol do Meio Dia (1977) e Duas Vozes (1984). A escapulida para fora do Brasil tornou a acontecer, desta vez para Nova York. Para Naná, o período com o grupo Codona (com Don Cherri e Colin Walcott) seria o mais gratificante. Estando na meca mundial do jazz, passou a integrar os mais variados grupos, sempre contribuindo, mais do que tudo. Com o jazzísta Pat Metheny foi assim - bem como com B.B. King, o violinista Jean-Luc Ponty e o Talking Heads.

Percpan

Ficou longe do Brasil por 10 anos, voltando em 1986. A partir desse momento, começava sua história com um festival anual de música experimental chamado Panorama Percussivo Mundial (Percpan) - que no início contemplava apenas a percussão pura. Dois anos depois, dividiria a direção com Gilberto Gil do festival, que deu uma cara mais abrangente ao Percpan. Apesar do aparente afastamento das raízes brasileiras, Naná sempre esteve envolvido com projetos sociais, como o ABC das Artes Flor do Mangue (com crianças carentes). Ainda: seu toque percussivo e vocal pode ser ouvido em diversos álbuns brasileiros como os de Marisa Monte, Caetano Veloso, Milton Nascimento, além de uma infinidade de amigos/parceiros.

Um de seus mais recentes trabalhos - e Naná vive realizando sua trajetória profissional Músical para caminhos que somente o próprio sabe onde -, o CD Fragmentos, de 1998, traz a participação do velho companheiro de bem-sucedidos discos, Egberto Gismonti. Mais alguns para a lista atual de trabalhos de Naná: trilha para a peça Othello, na Alemanha, A Sagração da Primavera, na França, e a trilha para o espetáculo Você me Faz Sorrir. Este ano, está em fase de finalização da edição 2001 do Percpan, agendado para setembro. Mas a história do pernambucano de 56 anos não acaba aí - vai longe, até onde a percussão, a imaginação, o silêncio e tudo mais levar.

Texto de Ricardo Ivanov, publicado no site Terra.

Fazer o download de Naná Vasconcelos - Africadeus (1972).

18 comments:

Roberto said...

Faltou dizer que ele tb é pop, pois participou da faixa "La Isla Bonita" do CD True Blue da Madonna, participando inclusive do mesmo clip. Lembro qdo este clip passou na TV e o Fántastico exultando a participação de um brasileiro no clip, sem dar a devida importância ao Naná!

rafael.rock70 said...

cara,não te conheço,mas queria te dizer que já te vejo como um amigo! a cada novo disco que conheço apartir do momento que descobri seu blog penso que isso é graças a vc!!!!!! valeu cara!!!!!!!!um pedido, vc poderia postar bacamarte?

Jorge Ferreira said...

grande blog...ando sempre por aqui mas tava devendo uns comentarios...grange iniciativa...ja conhecia alguns dos sons...outros tenho que agradecer a voce pela oportunidade...valeu

Mauro de Araújo said...

Esse blog é foda...
Cara, tem Edinardo lá do Ceará???

se tiver...

thiago mello said...

Naná Vasconcelos é fantástico!! Grande Blog!! Abração.

thiago mello said...

Coloquei o link do seu blog no meu:
http://bossa-brasileira.blogspot.com/
abraços

meathaus said...

I love this, grande blog! Thank you!

boamusicasempre said...

Muito obrigado, pela oportunidade de rever e conhecer tentos trabalhos maravilhosos, isto sim é democratização da cultura.

jwagner said...

você e o cara do Past Tense fazem o mundo dos blogs valer a pena!

G.C.A said...

aqui cada disco é melhor q outro. mto bom esse disco, bem ecletico.

fperacoli said...

Mauro,
prá sua felicidade achei o Ednardo (e já postei...).

Roberto,
não sabia dessa história da Madonna (e claro que não vou rever o clipe para conferir, rs)

Rafael,
e no fundo os blogs não são para isso mesmo: fazer amigos?

A todos,
valeu mesmo pelo apoio

Renato said...

Grande disco!!!
Valeu!!

Chris said...

Very nice album, not at all like anything else I've heard before. Almost African sounding.

Thank you!

(Sorry I do not know Portuguese!)

sergio carneiro said...

Este é O Blog ... Fantastico - Marinho Castellar!!! Olivia - Lady Jane cara é muito alternativo e super raridade. Sou carioca mas corro atras como louco dos paulistas dos anos 80 - Rumo, Arrigo, Premeditando o Breque, Os Mulheres Negras... Alem disso IMPLORO que alguem me ajude a achar o "Geração do Som" ( Primeiro instrumental do Pepeu), e "Ele mexe comigo" ( Primeiro solo de Baby Consuelo). Sem querer abusar reforço o pedido do Rafael eBacanarte pra gente... Força e Luz irmão. Vc é grande...Parabens

green said...

thank you so much for this great blog. i love Naná Vasconcelos.

pedro said...

como alguém consegue resgatar tantas raridades??????só sendo um arqueólogo musical...........parabéns para quem disponibiliza esses discos aqui!!!

Carlos Nicola said...

Muito bom! Obrigado!

Anonymous said...

Quem toca no clipe de La Isla Bonita é o Paulinho da Costa, meu tio e não o Genial Naná Vasconcellos como o camarada ai disse. Abraços...Léo Costa